Semana do Brasil e o impacto no comércio online
semana do brasil

As datas comemorativas sempre foram importantes aliadas para a movimentação do comércio. Assim como o dia das mães, natal e Black Friday, a Semana do Brasil tem se mostrado uma ótima oportunidade para aumentar as vendas no e-commerce.

Com a primeira versão em 2019, a Semana do Brasil é uma ação organizada pelo Governo Federal com apoio do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), para incentivar o comércio nacional a conceder descontos, promoções e outras vantagens aos consumidores.

Assim como você deve imaginar, quem se planeja e se prepara, pode ter muitos ganhos nesse período, isso porque, com o crescimento do e-commerce, é possível explorar novas abordagens e alcançar uma nova fatia do mercado.

Veja nesse artigo, quais são os impactos da Semana do Brasil para o mercado online e como você pode aproveitar a data para aumentar as vendas e preparar o seu público para a Black Friday e Natal.

Junte-se a nós
Receba conteúdos sobre marketing de performance, Plataforma Vtex e performance digital exclusivos e com prioridade

O que é a Semana do Brasil?

Com o objetivo de estimular as vendas no país, a Semana do Brasil foi lançada em 2019 pelo Governo Federal, incentivando o comércio físico e online a elaborar ações que chamem a atenção do consumidor para irem às compras e aquecer a economia.

Em 2021, as promoções acontecerão entre 03 e 13 de setembro, sendo um evento que promete potencializar as vendas do início do segundo semestre, já que nesse período, é comum que as vendas sejam mais baixas.

Para fazer parte, é preciso realizar o cadastro no site oficial da Semana do Brasil e baixar o material de divulgação da campanha. Esse passo é importante para  garantir a participação da loja, ter mais visibilidade e potencial de venda.

A Semana do Brasil no e-commerce

Assim como é de se esperar, a Semana do Brasil tem tido boa aceitação no mercado online. Nas duas primeiras edições, as vendas apresentaram crescimento expressivo no período do evento, marcando 41% de alta em 2019 e 25% em 2020, em relação aos anos anteriores, respectivamente, segundo dados da Ebit|Nielsen.

Mesmo não superando as taxas de 2019 no último ano, a Semana do Brasil tem criado expectativas positivas entre os e-commerces, fixando a data no cronograma e aumentando a participação dos comerciantes, assim como foi no início da Black Friday no país.

Segundo o levantando da Ebit|Nielsen, na última edição da Semana do Brasil, a região Nordeste apresentou o maior crescimento no faturamento, com uma alta de 82%, enquanto o Sudeste apontou 12%, sendo ainda a região de maior peso no segmento, representando 50% do volume total.

Outro dado que merece destaque sobre a Semana do Brasil no e-commerce é que 57% das vendas foram feitas via smartphone ou tablets, reforçando mais uma vez a importância de ter uma loja responsiva e adaptada para a versão mobile.

Como preparar seu e-commerce para a Semana do Brasil e outras grandes campanhas

Não tem jeito, se você quer ter sucesso em vendas nas datas sazonais e grandes campanhas como a Semana do Brasil e Black Friday, é preciso se planejar. Baixar os preços só deve ser uma estratégia quando a sua loja estiver preparada para receber um volume maior de visitantes, o estoque estiver compatível com as expectativas de vendas e toda a empresa estiver alinhada para manter a comunicação e a operação trabalhando em conjunto.

Entender as necessidades técnicas de um e-commerce para se manter ativo e se destacar entre tantos anunciantes em pleno a uma campanha nacional de vendas, nem sempre é tarefa simples. Por isso, contar com a ajuda de uma agência experiente nesse tipo de ação é fundamental.

A we.digi possui núcleos próprios especializados em tecnologia e alta performance com foco em e-commerce para auxiliar em desafios como esses. Quer saber mais como podemos te ajudar a vender mais na Semana do Brasil e já se preparar para a Black Friday? Fale com a nossa equipe e não perca mais tempo. 

Clique aqui e fale com a nossa equipe especializada em tecnologia!

    Por Felipe Trudes

    Novos negócios